Written by

Faísca

Sylvia Responde| Views: 26

Sylvia,

Qual a chave para um relacionamento se manter para além de uma forte atração física? Tenho uma ligação que já dura perto de 20 anos e a cada vez que encontro essa mulher, sinto o mesmo tesão. Temos muita coisa em comum, gostamos das mesmas coisas mas, mesmo assim, fico intrigado. Durante esse tempo, jamais traí essa mulher, eu que tenho um longo histórico de mulherengo! Adalberto.




Caro Adalberto,

Quer dizer que o amor existe e é lindo?

No campo do amor e da amizade, alguns encontros são realmente inexplicáveis. Gostamos porque gostamos, e pronto.

Não gostamos de um amigo por suas virtudes, às vezes até o que nos atrai são seus defeitos. Gostamos do amigo/a, apesar de ... Embora na amizade, as escolhas se mantenham mais pelas identificações: apreciamos os mesmo filmes, ir a lugares semelhantes, fazer mais ou menos as mesmas coisas, combinamos, enfim.

No amor o mistério é maior: virtudes ajudam, mas não são necessárias, muito menos suficientes para um casal se apaixonar. Homens pavorosos, violentos, atraem mulheres maravilhosas. Homens maravilhosos se enrabicham por verdadeiras bruxas, o que ele viu nela? nos perguntamos.

A atração física inicial é a faísca para que o casal se aproxime, mas aí também reside mistério. Homens e mulheres, homens e homens, mulheres e mulheres se atraem por traços que a outros afastam.

No amor as idealizações estão mais presentes. A partir do lampejo inicial projetamos no outro, qual uma tela de cinema, o que desejamos: amor, atenção, carinho, interesse, paixão, arrebatamento, toda uma gama de emoções e sentimentos que muitas vezes são correspondidos, até que o tempo começa a desfazer o encantamento. - O que aconteceu? - Você não era assim. - Nem você. Você me enganou.

Sim, há engano, e o engano é que projetamos no outro nossos desejos...e quando ele não corresponde a nossas fantasias, a decepção começa a fazer o estrago, trabalho de erosão, quanto desalento.

Se conseguirmos lidar com as decepções, com os auto- enganos, se conseguirmos recuperar o que de nós estava projetado, se depois dessa operação ainda sobrar alguma coisa, então há a possibilidade da relação se reconstituir. Se ainda sobrar encantamento...

Pois no encontro de duas almas é raro que os envolvidos consigam explicar o que viram um no outro. Não são os defeitos, nem as qualidades. A atração erótico/amorosa não é da ordem racional, nem se define a partir de uma escolha racional. Ela se define a partir de uma escolha inconsciente, de algo que nos atravessa e nos impulsiona em direção ao outro.

Assim, a pergunta por que esta pessoa e não outra qualquer? Por que essa pessoa, depois de tanto tempo? Depois de 20 anos !? Só pode ser respondida a partir de um saber que não se sabe.

Tem algo de mágico, de encantamento, algo de uma revelação cósmica, de uma faísca que se apaga para novamente se acender.

Era ela, porque era eu.

Era ele, porque era eu.

Chico Buarque canta esse encantamento em sua música, Porque era ela, porque era eu.

Eu não sabia explicar nós dois
Ela mais eu
Porque eu e ela
Não conhecia poemas
Nem muitas palavras belas
Mas ela foi me levando pela mão
Íamos tontos os dois
Assim ao léo
Ríamos, chorávamos sem razão
Hoje lembrando-me dela
Me vendo nos olhos dela
Sei que o que tinha de ser se deu
Porque era ela
Porque era eu

https://www.youtube.com/watch?v=EF8QorAhaWc





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *